BLOGAGEM COLETIVA - HA AMOR EM MIM

quarta-feira, 28 de setembro de 2011






Ha amor em cada célula do meu corpo. Sempre houve.
Eu acreditei e desejei o amor desde que me entendi por gente. O amor romântico, aquele que a gente escolhe. Para mim era o que havia de mais lindo nesse mundo.

Mas se este amor era lindo, por si era frustrante e eu vivia em busca do amor. Clamava aos "deuses" que me ajudasse, criava marcos para encontrar o amor. E na busca incansável encontrei pouco amor verdadeiro e muita  decepção, muita mágoa.....

No fundo do meu coração eu não queria acreditar que não houvesse o que ansiava por encontrar.E muitos diziam-me que o que buscava era paixão. Verdade muitas vezes cheguei a dizer que o único amor que existia era a paixão.

O tempo passava e a necessidade de amar tornou o coração sensível pouco exigente e um tanto dado a se doar por qualquer batida descompassada. A juventude e a sede de amar fizeram com que se deixasse levar por emoções traiçoeiras. pareciam ser..... mas não eram.

Mas a vida costuma conceder nossos desejos de uma forma bastante inusitada. O amor viria, mas não da forma que sonhei. O amor viria para desestruturar todas minhas crenças, expectativas, planos. Mudou tudo! Até mesmo o amor que eu achava que sentia. Eu que jamais sonhei que isso aconteceria, descobri que estava  grávida!

No meio da tormenta de não saber o que fazer, como fazer e das pressões absurdas (aborto era a alternativa mais doce!) para "resolver" o problema eu jamais me dei conta do que estava por vir. Nesse momento era uma dificuldade tamanha mas a sementinha do amor já estava ali. Eu podia concordar com o casamento com um colega homossexual e me expor a um estupro, mas aborto jamais! Do filho que eu não desejei, eu não abria mão.

O tempo passou e meu filho nasceu. Eu não me sentia a mãe amorosa, apenas a mãe responsavel. Mas tambem como poderia? A depressão me envolveu pela primeira vez e em meio a muito choro de bebê, pouco sono e muitos conflitos e não tinha vontade de viver. Nem por ele, pois morria de pena do que ele teria de passar ainda nessa vida.

E os desamores, as desilusões estavam cada dia mais intensas. Ou era eu que estava cada dia  mais frágil? E foi no meio desse turbilhão de emoções que eu tive o insigth que me faria entender o que sentia. Foi percebendo que por mais que um filho me causasse dificuldades, eu jamais o trocaria! 

Não é mais como um relacionamento ruim, não é como estar com um cara que não te dá o que você precisa e você se livra dessa relação doentia! Filho você ama do jeito que ele é! Com o amor que ele pode retribuir  ou não!

Não sei quando eu passei de mãe responsável para mãe apaixonada, mas a paixão só aumentou a cada dia. São quatorze anos de amor, de doçura, de vontade de morrer feliz para proporcionar felicidade. Em nenhum minuto da minha vida eu consigo imaginar minha vida sem meu filho e todos os dias da minha vida eu me pergunto se eu poderia amar alguém com a mesma intensidade. Sempre  viajo que se tivesse outro filho não seria capaz de amar da mesma forma. Amar mais é impossível, amar igual é inacreditável.

Meu coração transborda de amor. Amor que se traduz em orgulho, amor que sangra meu peito todas as vezes que o vejo sofrer, amor que dá vontade de ficar agarrada para todo o sempre, amor que quer o mundo, amor que vira amigo, que vira enfermeira, que vira chef, que vira rabugenta  e cria dezenas de gatos.Amor que jamais mentiu, que se enche de culpa, que se assume fraca e incapaz.

Ha amor em mim. Tanto amor que o coração falha batidas, amor que enleva e enlouquece, amor que preenche o meu peito, amor que dá sentido a minha vida tão louca....

Este post participa da blogagem coletiva em comemoração ao aniversário do
 blog da Elaine Gaspareto.

22 comentários:

josianaleite.leite@gmail.com disse...

Obrigada por compartilhar sua história, sou mãe e entendo esse amor, é oque nos move, um caminho cheio de amor para você e seu filho.
josiana leite - Decorafino

Orvalho do Céu disse...

Minha flor
O amor nos salva de toda espécie de mal...
Há amor em mim
Há amor em ti
Há amor em nós
Bjhm de paz

Mylla Galvão disse...

O amor cura qq ressentimento!

bjos

Alessandra disse...

Histórias como a sua tocam o coração!
Parabéns!
Já estou te seguindo.

Bjo Bjo
http://eutenhopressaemuitacoisameinteressa.blogspot.com/

ELAINE disse...

Liiiindo teu post!! Obrigada por abrir seu coração com a gente!! Já estou te seguindo e divulgando teu selo no meu Blog! Conheça o meu:
http:/elaine-dedentroprafora.blogspot.com
Grande bjo no coração!
Deus abençoe vocês!!
Elaine Averbuch Neves

Joana disse...

Lindo seu texto. Linda sua história. Lindo seu amor.
Obrigada por nos proporcionar esse relato e compartilhar essa experiência.
Beijinhos

Tatiana Moreira disse...

Fico imensamente feliz quando entro em um blog e sinto uma energia tão boa quanto a que senti no seu! Que esse amor a inspire e ilumine sempre!
Eu também participei dessa maravilhosa Coletiva. Ver a Blogosfera colorida por tanto amor... É maravilhoso!
Um abraço carinhoso

Cissa Branco disse...

Val,

Menina, que texto lindo e forte, me envolvi com a história e percebia através das palavras o que vc vivenciava, com certeza não foi fácil, mas muito compensador, porque esse amor é infinito.
Grandes beijos

eva disse...

Adorei sua história. Há várias formas de amar, e as vezes temos que aprender com o tempo e com o que surge na nossa frente de forma inesperada. Lindo texto. Beijos

Bel Rech disse...

Amor que dá sentido...Amor por um filho é incondicional, é real, é doloroso e é para sempre!
paz e bem

Renata Guidinha disse...

Cada postagem que voulendo dessa blogagem coletiva, vai me dando mais incentivo para acreditar nas pessoas e no mundo. Sim, o mundo tem jeito. Só falta cada um expressar o amor que é capaz de sentir.
Pode ter certeza que quanto filhos tivesse, tantos vc amaria individualmente com um amor louco, incondicional e eterno. Amar é isso, nunca se divide. Cada amor é único e nos dá a capacidade de multiplicação que transborda todos os limites do nosso ser.
Linda a sua postagem. Lindo o seu amor.
Bjks
Renata http://cercaviva.blogspot.com/

Nina disse...

Oi Val...
Lindo post...Linda sua participação na blogagem coletiva...A Elaine Gaspareto optou por um ótimo assunto para comemorar o anivérsário do blog...Obrigada por dividir conosco esse Amor...
Beijos!
San e Nina
http://sandramitsue.blogspot.com/

Rosa Branca disse...

Oi passei para visitar a blogagem coletiva gostei do blog e estou seguindo! Me visite www.agape-amorverdadeiro.blogspot.com e www.patyiva.blogspot.com Bjos

She disse...

Meu Deus! Que coisa mais linda! Olá, prazer! Também estou na coletiva da Elaine e vim te conhecer e ler, me deparo com o amor mais lindo do mundo... Esse seu texto me tocou muito pq uma vez fiquei grávida e no mesmo instante que soube a notícia e senti um amor infinito, soube tb que o meu bebê não tinha cérebro... Aos 4 meses de gestação, abandonada pelo pai da criança e sentindo medo, muito medo, a gravidez não pôde seguir...
Enfim... Vc me emocionou muito!
Beijo, beijo querida!
She

Elaine Gaspareto disse...

Val,
Uau!
Jamais imaginei que veria algo tão visceral escrito aqui!
Sabe... lendo seu texto, e uns outros, eu me pergunto se todas as mães amam assim...
Começo a achar que sim, só que umas conseguem, como você, traduzir em palavras...
E ele deve saber, né? Seu filho... que aprendeu com você a amar... ou você acha que um menino que ama os animais como ele não tem em si uma usina de amor???

Beijossss, minha querida. Muito obrigada por aderir.

Maria Luiza disse...

Olá, tudo bem? Como participante cliquei em você por causa da foto de seu gatinho, acredito que seja. Eu também amo gatos e tenho três e mais duas cachorras; mãe e filha.Bem, quando comecei a ler, eu pensava: uau! Essa escreve comm alma, coração, instinto, conhecimento e carne, sim pq só quem vivencia na carne sabe dizê-lo com sabedoria. Adorei! Queria até ver esse filhão!Abençoado final de semana! Beijão!

Iara disse...

Tenha certeza que encontraste o maior amor do mundo e amor eterno.
Abraços

Irene Moreira disse...

Oi Val
Que mais acrescentar a esse amor sublime, inacreditável como muito bem colocastes.
Parabéns por abrir seu coração deixando esse post transbordando esse amor.

Beijos

Lucinha disse...

Val,

E há muito amor em você. Sua história foi de muito sofrimento, mas a vitória foi maior que tudo.
Minha filha viveu uma história parecida, mas só que ela amou o filho desde que nasceu. Hoje, ele tem 12 anos, e é a coisa mais importante de nossas vidas.
Emocionante participação. Beijos

Vanessa disse...

Passando para ler sua participação na blogagem da Elaine. "Só as mães são felizes", como já dizia Cazuza. E acho que é mesmo.

abraço.

MARLENE disse...

OLÁ! AMEI SEU TEXTO. FOI ESCRITO COM O CORAÇÃO E EU ENTENDO BEM ESSE SENTIMENTO TÃO BELO. PARABÉNS!

MARLENE DA PAZ
FLORES E FRAMBOESAS

Ro Malet disse...

Val,

Que forte da sua parte escrever assim. Sempre curti seus textos e comentários, sempre inteligentes e cheio de personalidade.
Este post foi o mais profundo de todos. Amei. Muito lindo.
Parabéns pela sua coragem, por sua força e apesar de tantas coisas que poderiam te fazer sofrer, saber amar assim, amar com tanta intensidade.

Beijos!